domingo, 26 de fevereiro de 2017

Movie - Cena 8

Cena VIII

Ele para, fecha os olhos, e lembra-se de a 12 anos atrás entre o medo e o entusiasmo de descobrir quem era a musa dos seus dias cinzentos, abriu uma página do google, teclou cada letra a respirar fundo e acedeu ao blogue. 

Quando leu o blogue, viu as publicações, entre os devaneios de alguma criatividade, contudo ligeiramente mal estruturados. Havia muita emoção, por todos os lados, contudo pouca estrutura. Mexia-lhe com a alma e aguçava a curiosidade.

Estava a ler uma publicação sobre piano e física quântica, quando ocorreu uma actualização, entre o que ela escreveu e o que ele leu, percebeu que estava a beira de um desgosto de amor!


Volta a cama, deitado no escuro a olhar o vazio. Levanta-se e caminha para a cozinha, vai buscar um copo de água.  Chega a cozinha, liga a luz, e depara-se com a caixa dos chás.

Olha para a caixa dos chás - 30 divisões com 30 pacotes de sabores diferentes cada um, e em cada divisão 5 pacotes religiosamente colocados lá.

Lembra-se de ter feito a caixa, por ela era louca por chás, todos os dias bebia um diferente.
Pintou com os símbolos do mar, a condizer com a cozinha! Ela delirou durante uma semana, e agradeceu-lhe de todas as formas possíveis! Era tão fácil fazê-la com pequenas coisas!

Já não há quem beba chá naquela casa e ele não gostava muito. 

Volta ao presente, coloca o copo sujo no lava-loiças. 

Amanha é sábado, e ele tem de ir ao mercado! Volta para a cama vira para o lado dela, e adormece rapidamente.
...

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Moana e o valor da mulher

O valor da mulher...

no filme Moana conta a história de uma jovem guerreira que para salvar o seu povo, avança pelos oceanos para devolver o coração a deusa.

Entre o simbolismo da mãe natureza e o valor da mulher como sendo a que organiza as coisas, e luta até ao fim, mesmo duvidando do seu valor, do facto de ser escolhida pelo oceano/água, também no feminino, para devolver a vida a Deusa.

O simbolismo da mulher em salvar o mundo, tão esperado, e tão aguardado, entre um paganismo oculto, que passa pelas princesas aguardando pelo príncipe que as salva, desde a Branca de Neve, e Cinderela, Bela Adormecida, passando para a Bela que salva o Monstro, que o ajuda a humanizar-se, para a Rapunzel que passa a acreditar para além da sua torre, para a Mulan que avança pelo exercito, mascarando-se de homem, para conseguir salvar novamente o povo. 

E nas últimas vemos a 
  • Brave que não aceita casar-se com ninguém que não seja escolhido por si, que mexe na magia para salvar a sua mãe!
  • Moana  que assume o seu lugar como futura rainha do seu povo e necessita de proteger o seu povo.
Uma das coisas que se vê nos filmes da Disney, passa pela mitologia do sagrado feminino, onde a ligação a terra e a magia é considerado como algo natural, e não algo que possa ser colocado em causa. 

Onde a voz da sabedoria está a aliada a voz da loucura, entre pontos de reflexão que vão mais além do um filme que lança uma menina ao mundo!

O simbolismo do sagrado feminino, como base de uma sociedade mais justa onde o amor possa ser vivido na sua plenitude, em comunicação com todas os seres vivos, sejam animais ou plantas!

Este filme não fala só da mulher! 
Fala também da perda do homem, pelos últimos 1000 anos, nas suas conquistas pelos impérios, pelo resgate do coração da TERRA.

Perdeu-se da comunicação com o restante mundo mágico, e desta forma é como se fosse da missão das mulheres, restaurar o coração a Mãe Natureza, para acalmar a sua irá e potenciar a possibilidade de vivermos, antes de ela nos envenenar...

Do papel da sensibilidade que nos foi pedido para assumirmos, pedem agora que possamos salvar o mundo... e neste ponto como alteramos o destino, se em todos os momentos é resgatado a nossa vida, colocando-nos em constante obrigação pelos deveres que temos de fazer?

Também é devolvido de alguma forma a possibilidade de acalmarmos a nossa ira ligando-nos a Terra... é neste sentido que nos é devolvido a nossa essência!


E fica a reflexão!





domingo, 12 de fevereiro de 2017

Amor dos P!


A vida as vezes é mesmo assim!!! 
Tentar e tentar e tentar!!
Há-de chegar a algum lado!!!
hehehehe

sábado, 11 de fevereiro de 2017

O Amor e o Potencial!

Lost Property from Asa Lucander on Vimeo.



Nos dias que passam, o romantismo aproxima-se...
Enquanto uns procuram o namorado ou a namorada perfeita, dentro da estipulada check list que possa saciar as suas necessidades, outros gostam da ideia do amor eterno salpicado por uma melancolia de outros tempos mais remotos.

Entre o desejo de uma vida a dois, partilhada e salpicada com ironias e sorrisos, entre desejos e silêncios, surgem pérolas do que pode ser o amor!

Aquele que acompanha no meio da solidão que a vida é!

Por entre esquecimentos de uma doença ou de uma vida... por entre momentos que pautam pela confiança ou incerteza... 

Desde o início dos tempos de uma possibilidade de uma qualquer relação... fica a vergonha sentimento que habita na sensação de uma perda de protecção, que poderia dar alguma segurança, a um acto tão natural, como conquistar o outro somente com o acto de conversar...


A Lunch Break Romance from Danny Sangra on Vimeo.


e o romantismo espreita a cada instante... fica nas entrelinhas! E pouco mais!

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Teorias e afins!






Nos dias que passam surgem filmes que questionam o absurdo, a possibilidade do impossível, a materialização de um desejo da humanidade de contactar com outros seres, e desbravar mais caminho para além do óbvio planeta terra. 

Entre o amor, sempre o amor, é algo que nos persegue desde o inicio dos tempos, esta sensação da vinculação como ponto de partida para a salvação da alma, da espécie humana, para a continuidade para além de nós mesmos. 

A possibilidade de fazermos algo mais do que somente a vida entre os nossos dias, sempre que vejo grande parte destes filmes, e vejo o avançar da humanidade em diferentes formas de estar, o que sobressai é constantemente a vinculação a algo. Sentir que pertencemos a algo, seja um grupo de pessoas que possamos designar como família, ou seja, a possibilidade de uma tribo, seja urbana, ou então mesmo de uma localidade ou povo. 

Em todas estas constâncias, a vinculação aos progenitores, coloca-me sempre algumas dúvidas, entre as expectativas que são criadas e forçadas, que mais tarde darão em uma qualquer patologia, quando não vividas na sua plenitude, como até mesmo a possibilidade de uma eliminação do planeta terra, em forma de um suicido ou homicídio quando a intensidade da emoção é vivida ao máximo, por uma expectativa que não corresponde a realidade. 

Contudo o que me revela também algumas dúvidas, é o elevado número de humanos a a variação do nosso DNA. Nos últimos meses, os casos que surgem de alterações dos traços do fenótipo, que leva a questionar até que ponto, a nossa espécie em semelhança com as demais, apresenta mecanismos de auto-eliminação, de forma a conter um aumento em demasia, sem grandes possibilidades de ser assegurando o sustento continuo da espécie.

E aqui entra a percepção de forma, fomos criados, com tantos mecanismos tão semelhantes as restantes espécies, que assumem mecanismos de auto-destruição quando passam a ser invasoras e não asseguram a sua própria sobrevivência. 

E se nós num futuro distante, houvesse a possibilidade de criar uma nave, leva-se os humanos a desbravar caminho e quando déssemos conta, estaríamos de volta a terra. Entrando numa percepção de circulo, de algo circular, de algo que volta sempre ao mesmo ponto, vezes e vezes sem conta, para fazer a vida acontecer, repetidamente, em que a Teoria das Cordas, poderia ajudar a criar a ligação ao surgimento da vida no planeta Terra, justificando a necessidade de surgir o humano, de evoluir, para além do homem sapiens...

Em alguns momentos, o nosso corpo funciona como um prototipo de uma maquina, tão evoluída, e tão desenvolvida, pronta a perceber quais as emoções que poderão facilmente produzir hormonas ao bom funcionamento mental, como também criar situações que possam ajudar a manter o bom funcionamento corporal! Esta maquina é tão evoluída, que está totalmente programada, para avançar sem a totalidade da nossa consciência. 

Em alguns momentos parece sempre que estamos na caverna de Platão, apanhando somente os cacos ou as sombras de uma dada realidade que ainda não temos o acesso...

E depois temos estes pontos que nos fazem reflectir:
  1. Astronomers spot a strange, supersonic space cloud screeching through our galaxy
  2. KINEMATICS OF ULTRA-HIGH-VELOCITY GAS IN THE EXPANDING MOLECULAR SHELL ADJACENT TO THE W44 SUPERNOVA REMNANT


E tanto para repensar e tanta teoria ainda para criar!!!